Coronavírus: Vacina chinesa que obteve 90% de sucesso será testada em brasileiros

Laboratórios de São Paulo estão em fase de negociação para iniciar a terceira fase de testes em voluntários no país.

O laboratório chinês Sinovac anunciou no início dessa semana (14) que a vacina, CoronaVac, que estão produzindo para o combate da Covid-19 induziu a produção de mais de 90% dos pacientes que receberam a dose de teste nessa segunda fase. Esta fase contou com a participação de 600 pessoas, incluindo grupo de ensaio, verdadeiramente testado, e o grupo controle, que não recebe nenhuma substância, conhecido também como placebo. 

A empresa não divulgou em seu comunicado oficial os números exatos da quantidade de pessoas em cada grupo, porém afirma que a taxa de sucesso é de 90% e não traz sérios danos colaterais aos pacientes.

Além desses testes da fase 2, na fase 1 a empresa conduziu os ensaios com 143 voluntários em uma etapa que foi testada a segurança da vacina. Em ambas as fases os testes foram realizados de maneira randomizada e com duplo-cego, ou seja as pessoas foram distribuídas nos grupos de forma aleatória e nem os cientistas, nem os participantes sabiam quem estava recebendo ou não a dose da CoronaVac.

A microbiologista Natália Pasternak, do Instituto Questão de Ciência, acredita é “bastante provável” que a vacina dê alguma imunidade contra a doença, apesar de não ter certeza sobre a durabilidade da mesma:

“Anticorpos neutralizantes são protetores; mas não sabemos quanto tempo essa imunidade dura – isso só saberemos com o tempo, mesmo. Por isso testa contra um placebo, para ver se a vacina realmente está protegendo. Mas é justamente isso o que a fase 3 vai dizer. Parece ser uma boa vacina”, explica Pasternak.

Com isso tudo, a pesquisa entra na terceira fase de testes, a qual a empresa Sinovac afirmou que continuará os ensaios fora da China, contando inclusive com voluntários brasileiros em uma parceria fechada com Instituto Butantan em São Paulo.